Blog do Erick Gomes

Erick Gomes
Bacharelando em Direito
WhatsApp: (82) 9 9691-1657

* O conteúdo deste blog é de inteira responsabilidade de seu idealizador

Gostou do conteúdo dessa página?

Compartilhe com seus amigos em sua rede!





26/03/2017

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vedada a inserção de comentários que contenham palavras torpes e que violem a lei e os bons costumes. O AlagoasWeb poderá retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Deixe seu comentário

Aposentados defuntos da Deforma da previdência


Antes de falar em idade mínima de 65 anos com 49 anos de contribuição para o recebimento da aposentadoria integral, é preciso que se fale que os aposentados dessa Deforma serão defuntos!

Em um dos melhores questionamentos ocorridos na tribuna do Senado, o senador Paulo Paim (PT – RS) dizia, noutros temos, que a proposta da reforma da previdência enviada pelo governo Temer seria declarar que a aposentadoria só viria em momento subsequente ao do falecimento do cidadão contribuinte.

O senador Paulo Paim, inclusive, é um dos grandes e poucos bons nomes que restam no PT e, por isso, merece, desde já, nossos aplausos pela indagação. Ela é bem concreta, pois o que quer o atual governo é, simplesmente, arrancar, dos mais necessitados, o sossego almejado em meio à vida de suor e trabalho para sustentar as classes dominantes.

Seria o principal critério, então, para se “aposentar”, morrer. Acho que até venha a ser um novo sinônimo para “morte” o termo “aposentaria”. Bater as botas. Sendo aprovada a Deforma, seria melhor que a contribuição previdenciária garantisse, ao menos, o Plano Funeral dos contribuintes. Seria mais vantagem. Não acham?!

Como disse o querido Leandro Karnal, o presidente Temer jamais perdeu uma oportunidade de errar.

17/03/2017

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vedada a inserção de comentários que contenham palavras torpes e que violem a lei e os bons costumes. O AlagoasWeb poderá retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Deixe seu comentário

O que é ser revolucionário nos dias de hoje?


Vai além de não defender a reforma da previdência porque é prejudicial a si próprio, tenho certeza. Não vou relativizar tanto assim. Porém, para ser revolucionário, nos dias de hoje, basta a defesa de muito pouco. E talvez seja somente preocupar-se com a sociedade como um todo, abrir mão do individualismo egoísta do capitalismo selvagem. Ou não?! Vejam bem...

Talvez, ser revolucionário, agora, seja somente ser católico e seguir lições de misericórdia que Jesus Cristo andou deixando pela história bíblica. Talvez seja, somente, usar da espiritualidade num diálogo com a esperança de um mundo melhor, sem miséria e com respeito ao mínimo existencial de todo e qualquer ser humano. Eu disse qualquer, inclusive para o/a ex, o maloqueiro e a vizinha fofoqueira. Que fique claro.

Para ser revolucionário, então, talvez não precise nem ser de esquerda, eu diria. Bastaria defender a paz social, a preocupação com os desvalidos e não negar que as prioridades sejam essas mesmo.

Quem sabe, até, ser comunista isolado seja estar um pouco distante. Seja preocupar-se tanto com uma utopia a ponto de esquecer os gritos de quem não pode sequer gritar. Revolucionário: talvez seja não se esquecer daqueles que dormem na sarjeta e que estão, agora, nos chãos dos hospitais imundos, que espelham a reputação dos governantes que nós temos. Porque dizer ser revolucionário querendo somente o alcance do comunismo é, muitas vezes, negar tudo isso por uma utopia distante, que chega a ser insana se não denuncia essas crueldades imediatas.

Ser revolucionário é, pelo menos, defender a vida, em todas as hipóteses, defender o respeito (a todos os seres humanos), e não viver desejando a morte de quem roubou um aparelho celular. Ser revolucionário seria, somente, ser fiel aos princípios (religiosos ou ideológicos), ter atitudes éticas e de alteridade.

Ou não?! Perdoem o reducionismo, talvez seja revolucionar demais reconhecer que o mínimo defensível não se confunde com pautas para arreganhar o Estado aos empresários (libertinagem econômica) ou somente ter como pauta uma sociedade comunista nos temos dos inconvenientes estratégico, situacional e linguístico. Mas, senão isso, o que é não ser revolucionário nos dias de hoje?!

123