Economia


03/01/2017 | 14:00 | Assessoria

Claro, Caixa e Tim, estão no topo das empresas mais reclamadas em 2016


Reprodução


A Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor de Alagoas (Procon/AL) divulgou nesta segunda-feira (2) uma lista com as quinze empresas que obtiveram mais reclamações durante o ano de 2016 no órgão.
 
Os dados são do Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (SINDEC) e aponta que cerca de 40% das queixas realizadas no período de 1 de janeiro a 31 de dezembro de 2016 corresponde às quinze empresas mais acionadas. 
 
A telefonia Claro S.A aparece em primeiro lugar com 1.297 reclamações. Na segunda posição, figura a Caixa Econômica Federal com 1.253 queixas e em terceira colocação vem a Tim Nordeste S/A, com 1.150 reclamações. Nas outras posições aparecem a TNL PCS S/A, Telemar Norte Leste S/A, Net Serviços de Comunicação S.A, SKY Brasil, Eletrobrás, Banco Itaucard S.A., Banco Bradesco SA, Hipercard Banco Múltiplo, Vivo S.A, Motorola Industrial Ltda, BMG Leasing SA e Nova Pontocom Comercio Eletrônico.
 
O levantamento busca auxiliar consumidores na hora de escolher uma empresa para a prestação de serviço ou para a compra de produto. É o que explica o superintendente do Procon/AL, João Neto.
 
“É preciso ter um parâmetro para optar por esse ou aquele fornecedor. O ranking busca ajudá-los a evitar problemas posteriores à aquisição do produto e por meio de informações como esta é possível identificar qual a melhor opção de contratação, comparando os dados”, salienta o gestor. 
 
Ainda segundo informações do órgão, o Procon irá dialogar com essas empresas com objetivo de diminuir as queixas dos consumidores. Confira o ranking completo aqui.

Publicidade
Servcon - Contabilidade & Consultoria

0

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vedada a inserção de comentários que contenham palavras torpes e que violem a lei e os bons costumes. O AlagoasWeb poderá retirar, sem prévio aviso, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Deixe seu comentário