04/01/2017 | 07:20 | R7

Reprodução/ Mogan Andrel

Olho seco é mais comum no verão; veja dicas para driblar o problema

Incidência da síndrome aumenta 20% nos dias mais quentes por causa do ar-condicionado

Nos dias mais quentes, o ar-condicionado costuma ser item indispensável nos escritórios. O problema é que ele pode fazer mal se for usado sem moderação, inclusive para os olhos. A OMS (Organização Mundial da Saúde) aponta que a incidência da síndrome do olho seco, por exemplo, aumenta de 10% para 20% no verão entre trabalhadores que abusam do ar-condicionado em ambientes fechados e sem ventilação.

Segundo o oftalmologista do Instituto Penido Burnier Leôncio Queiroz Neto, a higiene precária do ar condicionado facilita a proliferação de vírus, bactérias e fungos em 30% das empresas instaladas no Brasil.

— É isso que explica porque a conjuntivite representa uma das principais causas de afastamento do trabalho durante o verão.

Nessas condições, o ar se torna muito seco e até quem tem produção normal de lágrima pode sentir desconforto ocular. O especialista explica que a exposição diária ao ar seco pode fazer com que o incômodo progrida e se torne crônico. A situação é ainda pior para quem trabalha o dia todo no computador porque piscamos menos, facilitando a evaporação da lágrima.

A síndrome do olho seco é a mudança da qualidade ou quantidade em uma das três camadas da lágrima — oleosa (externa), aquosa (intermediária) e proteica (interna). A baixa umidade dos ambientes refrigerados provoca a evaporação da camada aquosa. Sem lubrificação, os olhos ficam mais vulneráveis à inflamações e infecções.

Ainda segundo o oftalmologista, o olho seco pode acometer homens mulheres, mas a população feminina tem duas vezes mais chance de ter o problema, pois a síndrome pode estar relacionada às oscilações no nível do estrogênio durante a fase reprodutiva e à falta dele na pós-menopausa.

Além do ar seco e dos hormônios, outros fatores podem influenciar no aparecimento da síndrome, como medicamentos (descongestionantes, anti-histamínicos, tranquilizantes antidepressivos, diuréticos, pílula anticoncepcional e anestésicos) e doenças (artrite, lúpus, sarcoidose, Síndrome de Sjögren, alergias e Parkinson). A idade também é fator determinante, já que a produção de lágrima é reduzida em 60% a partir dos 65 anos.

Excesso de colírio faz mal
O único colírio indicado na terapia de olho seco é a lágrima artificial que, ao contrário do que muitos imaginam, não é um medicamento inofensivo. O oftalmologista ressalta que o excesso do colírio provoca irritação por causa dos conservantes.

— Como diz o ditado: a diferença entre veneno e remédio é a dose. [Além disso], usar colírio por conta própria pode causar doenças graves como a catarata e o glaucoma que podem levar à cegueira.

A recomendação do especialista é estimular a produção de lágrima. Para isso, é necessário evitar o consumo de carne bovina, gorduras e carboidratos, beber bastante água e incluir fontes de ácidos graxos na alimentação, como semente de linhaça, óleo de peixes e amêndoas, além de frutas, verduras e legumes ricos em vitaminas A e E. Já para as atividades no computador, a recomendação é posicionar a tela 30 graus abaixo da linha dos olhos, fazer pausas de 5 minutos a cada hora de trabalho e piscar voluntariamente.


Leia mais sobre Saúde


Termina hoje prazo para atualizar carteira de vacina de c...

Tempo seco aumenta riscos de bronquiolite

Prefeitura de São Miguel dos Campos divulga programação d...

Pedras nos rins: especialista explica o que são e como tr...

Homem morre com suspeita de gripe H1N1 em Boca da Mata

A saúde do corpo começa pela boca

CRF/AL ingressa com pedido de suspensão de curso a distân...

Seu filho tem problemas respiratórios?

Como lidar com a incontinência urinária?

Olhar o celular antes de dormir faz mal à saúde, diz médico

Publicidade