07/03/2017 | 06:55 | Assessoria

Assessoria

AMA diz que situação de municípios canavieiros é insustentável


Com uma crise hídrica nunca vista na história de Alagoas, a situação se agrava e, agora, são os municípios canavieiros e os pequenos produtores os mais atingidos. Traduzida em números a crise aponta redução de 22% na safra 2016/2017 atingindo diretamente 7.402 produtores que geram 300 mil empregos diretos e indiretos. “É uma situação nunca vista, até insustentável”, disse o prefeito Jarbas Omena, que representa a AMA junto a Asplana.

A gravidade da situação está no fato de que 80% dos fornecedores são pequenos agricultores, com áreas de até 30 hectares, que retiram da terra duas mil toneladas de cana e têm renda mensal pouco superior a um salário mínimo. Para repor toda área perdida, este ano, serão necessários investimentos de R$ 62 mil reais per capita.

Nessas cidades, diz o prefeito Jarbas Omena, a economia está parada pela falta de circulação do dinheiro em feiras e pequenos mercados. “Há trabalhadores se desfazendo de bens conquistados com muito sacrifício para botar comida na mesa”, exemplificou.

Com chuvas bem inferiores a média e vários fenômenos naturais atuando, a produtividade dos canaviais alagoanos caiu de 61 toneladas/hectare para 45,3 toneladas/hectare. Some-se a isso, as áreas onde a cana nem sequer brotou. Para um estado que já produziu mais de 60 milhões de toneladas da cultura, a média atual não ultrapassou os 16 milhões.

A preocupação dos prefeitos desses 57 municípios é com a crise social e a violência provocados pela retração da principal atividade econômica. O problema se agrava com a antecipação do desemprego no setor provocada pelo fim da moagem que, por causa da seca, fez com que as usinas parassem com 40 dias de antecedência. Com a redução de meses trabalhados e a mudança na lei do seguro desemprego, muitos desses trabalhadores temporários ficarão sem o direito de requerer o benefício.

A preocupação é também da deputada estadual Jó Pereira, que participou do encontro e disse que toda a sociedade precisa se integrar e encontrar alternativas de curto e longo prazos.

O vice-presidente da AMA, Joaquim Beltrão, que presidiu a reunião desta segunda-feira, disse que a Associação vai encampar essa luta que é mais humanitária que financeira. Além da área de cana, também citou os extensos coqueirais que estão sendo dizimados.

Ao lado do vice-presidente da Asplana Roberto Inojosa e do diretor administrativo Willian Fragoso, o diretor técnico Antônio Rosário e o representante da Rede Interinstitucional para o Desenvolvimento do Setor Sucroalcooleiro, Iedo Teodoro apresentaram um panorama sombrio para 2017.

Como resultado da reunião, AMA e Asplana vão entregar um documento a bancada federal e aos ministros que participarão da próxima reunião da Entidade, dia 13 de março, relatando os problemas e pedindo apoio para a reedição da MP da subvenção da cana, repactuação de empréstimos a vencer e financiamento para renovação dos canaviais e aquisição de insumos. Ao governador Renan Filho, prefeitos e produtores pedem a doação para os fornecedores de até 1000 toneladas a doação de até 3 mil toneladas de adubo.


Leia mais sobre Política


Lula se compara ao demônio e pede 'respeito'

Lula: 'Sei que tô lascado, todo dia tem um processo'

Câmara realiza audiência pública sobre LDO e PPA na terça...

ONU inaugura primeiro escritório do Nordeste em Alagoas

'Lula participará da eleição preso ou solto', diz Dilma

Empresário diz que assinou recibos de imóvel ocupado por ...

Bancada do PT se posicionará contra afastamento do senado...

Ministro do Turismo despacha com prefeito de São Miguel d...

Lula apresenta recibos de aluguel com datas que não existem

Sem quórum, Câmara adia novamente leitura da denúncia con...

Publicidade