03/10/2017 | 21:00 | TJ/AL

Reprodução

Justiça revoga prisão do prefeito de Maribondo

TJ aplicou medidas cautelares em desfavor de Leopoldo

Por maioria de votos, o Pleno do Tribunal de Justiça de Alagoas decidiu revogar a prisão preventiva do prefeito de Maribondo, Leopoldo Pedrosa, e aplicar medidas alternativas, entre elas a implantação de tornozeleira eletrônica no acusado, a disponibilização de um botão do pânico para as vítimas e a proibição de o prefeito se aproximar delas e de portar armas.

O Pleno também decidiu receber a denúncia do Ministério Público. O prefeito seguirá respondendo ao processo pelos crimes de lesão corporal contra sua esposa, Meiry Emanuella Oliveira Vasconcelos, por duas vezes, além de lesão corporal e ameaça contra a sogra, Rosineide de Oliveira Vasconcelos. Elas afirmam terem sido agredidas física e psicologicamente pelo acusado, em 21 de junho deste ano.

O desembargador João Luiz Azevedo Lessa, relator, foi voto vencido no que se refere à manutenção da prisão, mas foi acompanhado por unanimidade quanto ao recebimento da denúncia.

O relator ressaltou que neste momento processual não cabe ao Tribunal se aprofundar no mérito da acusação, mas apenas “apreciar se está presente a justa causa, consistente em suporte probatório mínimo, a indicar a ocorrência de crime em tese, isto é, a prova da materialidade e indícios de quem seja o autor”, afirmou João Luiz Lessa, na sessão inicial do julgamento.

O juiz convocado Maurílio Ferraz abriu a divergência quanto à manutenção da custódia preventiva. O magistrado frisou que o prefeito não descumpriu as medidas protetivas estabelecidas anteriormente para mantê-lo afastado das vítimas, tendo as agressões em questão ocorrido quando elas se dirigiram até a residência do prefeito.

“Ciente de que não houve qualquer descumprimento, entendo como eficaz, neste momento, a aplicação de medidas cautelares diversas da prisão, devendo serem utilizadas como parâmetro as fixadas pelo juízo originário, com pequenas adequações”, diz o voto do juiz.

Além de Maurílio Ferraz, votaram para revogar a prisão os desembargadores Tutmés Airan, José Carlos Malta, Fernando Tourinho, Sebastião Costa e Pedro Augusto Mendonça. Acompanharam o relator, votando para manter a custódia, os desembargadores Paulo Lima, Elisabeth Carvalho Fábio Bittencourt e Domingos Neto.


Leia mais sobre Justiça


MPC aponta irregularidades na prestação de contas do ex-p...

Acusado de má-fé, Neymar é multado pela Justiça brasileir...

Juiz nega indenização de R$ 20 mil a ladrão que foi espan...

Universidade é condenada e deve pagar R$ 3 mil por negati...

Justiça nega liberdade a homem acusado de esfaquear espos...

Moro dá 48 horas para que Lula apresente recibos originai...

Júri absolve Mirella Granconato pela morte da universitár...

Justiça Itinerante celebra casamento de 350 casais em Maceió

Teotônio Vilela deve encerrar 'lixão' em até 30 dias

Grupo atira tomates em protesto contra Gilmar Mendes em S...

Publicidade