12/10/2017 | 08:00 | TJ/AL

Caio Loureiro

Júri absolve Mirella Granconato pela morte da universitária Giovanna Tenório, mas condena por ocultação de cadáver

Ministério Público vai recorrer

O Conselho de Sentença do 2º Tribunal do Júri de Maceió absolveu Mirella Granconato Ricciardi do crime de homicídio praticado contra a estudante Giovanna Tenório, em 2011. A ré, no entanto, acabou condenada pela ocultação do cadáver da universitária. Como a pena foi inferior a quatro anos, deverá responder em liberdade prestando serviços à comunidade. A acusada também terá que pagar indenização de R$ 20 mil à família da vítima.

O promotor de Justiça Antônio Villas Boas disse, no final do julgamento, nessa quarta-feira (11), que irá recorrer. Segundo ele, a decisão dos jurados foi "incongruente e manifestamente contrária às provas dos autos".

O julgamento de Mirella Granconato ocorreu no Fórum da Capital e foi conduzido pelo juiz John Silas da Silva, titular da 8ª Vara Criminal de Maceió.

Relembre o crime: Corpo encontrado em canavial é da universitária Giovanna Tenório

Interrogatório
De acordo com o Ministério Público, Mirella mandou matar Giovanna por ciúmes, pelo fato de a vítima ter mantido um relacionamento com o ex-marido da acusada, Antônio de Pádua Bandeira. A ré, no entanto, negou envolvimento no assassinato.

Afirmou desconhecer o caminhoneiro condenado como autor material do homicídio, Luiz Alberto Bernardino da Silva, mas admitiu ter feito ameaças e trocado agressões físicas com Giovanna em um incidente na boate Le Hotel. “Tive algumas desavenças com ela. Ela sempre ligava pra ele e era algo que incomodava”, disse.

O crime
A vítima foi sequestrada, em junho de 2011, após sair de uma unidade do Centro Universitário Cesmac, no bairro do Farol, na Capital. Seu corpo foi encontrado dias depois, em um canavial entre as cidades de Rio Largo e Messias.

Mais Imagens


Leia mais sobre Justiça


MPC aponta irregularidades na prestação de contas do ex-p...

Acusado de má-fé, Neymar é multado pela Justiça brasileir...

Juiz nega indenização de R$ 20 mil a ladrão que foi espan...

Universidade é condenada e deve pagar R$ 3 mil por negati...

Justiça nega liberdade a homem acusado de esfaquear espos...

Moro dá 48 horas para que Lula apresente recibos originai...

Justiça Itinerante celebra casamento de 350 casais em Maceió

Teotônio Vilela deve encerrar 'lixão' em até 30 dias

Grupo atira tomates em protesto contra Gilmar Mendes em S...

Justiça revoga prisão do prefeito de Maribondo

Publicidade