Francisco Reynés (Naturgy): ‘A transformação deve ser uma constante’

Publicado por Redação

Fonte Assessoria

06 de novembro de 2018 às 12:35

Imagens Reprodução

Reprodução
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no telegram

Francisco Reynes, presidente executivo da Naturgy, interveio no XVII Congresso de Diretivos da Confederação Espanhola de Diretivos e Executivos (CEDE), celebrado em Palma de Mallorca, numa conferência intitulada “A transformação das organizações”. Nela, Reynés analisou os desafios atuais aos quais se enfrentam as empresas durante a sua transformação e adaptação a ambientes variáveis. “As empresas não podem ser entidades estáticas. Estamos obrigados a mudar, a assumir riscos para avançar, e a transformação deve ser uma constante para nós”, destacou o presidente executivo da empresa energética.

Durante a sua intervenção, Reynés esteve acompanhado pelo Pepe, um robô humanoide fabricado pela SoftBank Robotics, capaz de reproduzir algumas atividades humanas graças a várias câmaras, sensores e modelos baseados na inteligência artificial. Pepe foi incorporado à Naturgy para realizar ensaios-piloto no âmbito do atendimento ao cliente mediante chatbots e como assistente virtual. Juntamente com o Pepe, o presidente aproveitou o 50º aniversário da estreia do filme 2001: A Space Odyssey para explicar a evolução das tecnologias e a sua aplicação para o desenvolvimento da sociedade.

Francisco Reynés indicou que as pessoas, os processos, o know-how, os ativos, os clientes e a reputação são as peças que conformam as vantagens competitivas. Paralelamente, os elementos do ambiente, como a situação económica, o marco político e regulatório, as evoluções tecnológicas, as tendências de mercado e os competidores são os pontos de inflexão que obrigam a adaptar e transformar essas vantagens competitivas.

Referindo-se ao caso energético, Reynés assegurou que “nada é nem será como o tínhamos conhecido”. O presidente executivo falou das grandes tendências-chave do sector, especialmente no caso das energias renováveis, a mobilidade, o gás natural e a digitalização. “No cenário atual e no futuro próximo é importante assegurar simultaneamente os três pilares do aprovisionamento energético: custos baixos, contribuição aos objetivos de melhoria ambiental e fiabilidade do abastecimento”, adicionou.

Sobre a Naturgy, Francisco Reynés Massanet explicou como a empresa está a protagonizar esta transformação no sector energético, baseando-se principalmente na mudança cultural, que passa pela simplicidade, o empowerment para os diretivos e a importância das equipas.

Francisco Reynés enfatizou a necessidade das empresas em terem “claridade nos seus princípios de atuação, uma aplicação perseverante e determinação para vencer os obstáculos que apareçam” nos processos de transformação. “O medo de se enganarem, as mudanças nos hábitos e as atitudes individuais são alguns dos freios que as empresas deveriam superar, enquanto o compromisso com a mudança, a ambição de sucesso e a coesão da equipa são os agentes da mudança que devem ser potenciados”, resumiu Reynés.

A empresa Naturgy foi premiada recentemente pela Association of Energy Engineers (AEE) com o “2018 Innovative Energy Project of the Year”, pelo projeto DirectLinkLNG, o primeiro sistema flutuante para a transferência de gás natural liquefeito (GNL).

error: Conteúdo protegido. Você pode solicitar atraves do Whatsapp 82.9311-2225
banner_otica_diniz