Opositores de Nicolás Maduro são excluídos da vacinação

fonte

Redação /

Gospel Prime

imagem

Miraflores Palaca/Reuters

data - hora

19 de abril de 2021 às 13:11

fonte

Redação /

Gospel Prime

imagem

Miraflores Palaca/Reuters

data - hora

19 de abril de 2021 às 13:11

Miraflores Palaca/Reuters
Especialistas apontam para controle eleitoral do governo em relação à concessão dos subsídios

As pessoas que possuem um cadastro de fidelidade ao regime ditatorial da Venezuela estão sendo escolhidas para a vacinação contra a covid-19, enquanto os opositores de Nicolás Maduro estão sendo excluídos do processo de imunização no país.

A população idosa começou a ser vacinada na semana passada, os beneficiários foram informados que a seleção era feita por um registro que a administração de Maduro usa para monitorar a lealdade dos eleitores e concede subsídios, de acordo com a agência de notícias Bloomberg.

O cartão de subsídios do Estado, como o “Carnet de la patria”, é concedido às pessoas que dependem de ajuda do governo, as tornando mais leais a Maduro, todos os venezuelanos possuem a carteira de identidade nacional, mas nem todos se cadastram por auxílio.

Os médicos especialistas, ONGs e a oposição estão criticando o uso desse registro pelo governo, pois deixaria de cobrir 8 milhões de pessoas, pois o registro conta com 20 milhões cadastrados, sendo que a população da Venezuela é de 28 milhões.

Discriminação com a população

Esse cartão de benefícios tem sido usado pelo governo de Maduro nos últimos anos para administrar o acesso das pessoas aos programas de alimentação, combustível e benefícios de assistência social.

“Para uma estratégia de vacinação, temos que partir de um registro que inclua 100% da população venezuelana. Usar o Sistema Pátria para decidir quem é vacinado ou não, em nossa opinião, é discriminatório”, afirma o epidemiologista de Caracas, Julio Castro, assessor da oposição.

O líder da oposição Já Juan Guaidó, disse que “nem na ditadura mais cruel do mundo existe discriminação para ter acesso a uma vacina”.

Para Rafael Uzcátegui, de uma ONG de direitos humanos, o Carnet de la Patria é usado para controlar as eleições, por isso muitas pessoas se recusam a participar desses programas de subsídios.

O Ministério da Saúde da Venezuela ainda não se manifestou em relação às reclamações. Atualmente o país encontra-se com 175.812 casos de pessoas infectadas por covid-19, segundo os dados do governo.

error: Conteúdo protegido. Você pode solicitar atraves do Whatsapp 82.9311-2225
banner_otica_diniz